!! ATENÇÃO !!

Atenção: O conteúdo deste site não é recomendado para pessoas sensíveis, com problemas cardíaco e pessoas que não suportam emoções fortes.
O conteúdo deste site é recomendado para maiores de 18 anos, pois contém cenas fortes de terror, violência e palavreado chulo.
Pessoas nestas condições não devem continuar visualizando o conteúdo.

A Spooky Rose não está sujeita à responsabilidade dos mesmos.

Atenciosamente, Joey Spooky Rose.

CLASSIFICAÇÃO INDICATIVA

CLASSIFICAÇÃO INDICATIVA

quarta-feira, 11 de setembro de 2013

O Lago das Árvores



Era tarde, quase duas horas da madrugada e lá estava Frank com seu gato deitado em seu colo. Ele lia em seu computador, sobre um artigo escrito há pouco tempo.
O artigo era de um jornal de sua cidade, que falava sobre acontecimentos recentes perto de onde morava.
Duas crianças brincavam em um lago, aproximadamente seis horas da tarde, segundo as crianças elas haviam visto uma mulher parada, de cabelos negros e vestido branco. As crianças haviam contado aos pais o que viram e seus pais disseram que a mente processou tudo aquilo e que não era real. Pouco tempo depois as crianças sumiram sem deixar vestígios.
Em poucos meses, relatos vieram aparecendo de todo o canto, crianças e jovens enlouquecendo e sumindo sem mais nem menos.
Frank lendo o artigo começou a sentir arrepios e decidiu ir dormir. Na manhã seguinte, na escola, Frank combinou com mais dois amigos de ir até o lago para ver se essa história era realmente verdadeira. Às oito horas da noite se reuniram em sua casa e caminharam até o lago. 
Não viram nada.

Desacreditados, eles voltaram até a casa de Frank onde iriam dormir.
-Frank? Frank acorda...
Sem perceber Leo, Paula e Frank estavam na presença de algo que eles nunca imaginaram que realmente fosse acontecer.
Frank não acordava e Paula começava a ficar cadê vez mais assustada. Trancados no próprio medo, eles tentavam acreditar que aquilo não era real.
Uma horas da madrugada e Frank finalmente acorda, ao abrir os olhos, seus amigos gritam. Frank estava com os seus olhos brancos e seu sorriso era extremamente assustador.
Sentado na cama, Frank não dizia sequer uma palavra. Frank parecia um boneco, duro, apenas com o sorriso no rosto.
Seus amigos correram cada um para sua casa e esperaram o dia amanhecer para ver se aquele pesadelo acabava.
-Senhorita Clovis, o Frank está?
Paula no dia seguinte ligou para Frank, mas sua mãe havia dito que Frank havia saído de noite com uma moça e que não teria voltado até o momento.
Dois dias depois do desaparecimento de Frank, Clovis chama a polícia e uma grande busca começava. Frank havia sumido.

“A mãe de Frak, dona Clovis, relatou o desaparecimento de seu filho dois dias depois dele ter saído. Ela relatou que uma moça foi até sua casa para sair com seu filho. Clovis não perguntou nada, pensou que a moça poderia ser a namorada de Frank e com medo de constrangê-lo não procurou saber sobre a moça.
Começamos as buscas pelo garoto de 18 anos. Ficamos dois meses à procura dele, até que no terceiro mês o achamos. Ele estava parado, sentado em uma pedra no ‘Lago das Árvores’. Chamamos ele enquanto nos aproximávamos lentamente, mas ele não respondia. Quando chegamos perto, eu o toquei no ombro e chamei seu nome. Ele estava gelado e duro como pedra. Eu e meus homens decidimos ver ele de frente. Um enorme sorriso além do normal havia em seu rosto e seus olhos estavam extremamente arregalados e brancos, tão branco que parecia brilhar no escuro. Às meia noite demos entrada na morte do menino, às meia noite e meia avisamos dona Clovis sobre seu filho. Duas semanas depois, Paula e mais um amigo seu sumiram. Alguns meses depois foram encontrados da mesma maneira, no mesmo local. Paula era a única de pé, mas também estava dura como pedra e sorrindo além do normal. É como se um espírito tivesse os levado e deixado os corpos sorrindo ali, sorrindo como se fosse uma grande piada...
Só de pensar nestes casos eu já me arrepio, relatos nesta cidade sobre uma moça fantasma ocorriam e encontrar os garotos daquela maneira, era assustador. Espero que Deus abençoe esta cidade e que Jesus Cristo tenha piedade destas maldições que aqui reside.”


-Cherife, Gordon.


O Diário dos Mortos



E lá estava eu novamente...
Esperando por algo mais doce do que a dor.
Mas o que será que aqueles olhos brancos faziam me encarando?
Pareciam estar olhando no fundo de minha alma!
Mais um copo de Whisky e eu ainda esperava...
Eu a via ali, parada... E ela continuava a me encarar. A cada minuto parecia cada vez mais insuportável! Meus cabelos negros agora manchados estavam grudados, molhados...
Mas o que será que aconteceu afinal?
A corte me esperava e minha cabeça já não estava no lugar.
O fogo esquentava a minha pele. Aquele lugar enfeitado com crânios e uma energia estranha. O lugar parecia ter um ar gélido por natureza. Quem o criou estava perturbado em pensar que os mortos não rondariam aquele lugar. Mas não importa.


Querido diário,
Na noite de hoje fiz com que ela me olhasse. Ela me encarou por horas e minha alma parecia viajar ao lado dela. Ela me desejava como nunca havia me desejado.
Algo estranho aconteceu. Aquele lugar ainda me assombrava. Mas certamente, aquele lugar me agradava.
Eu neste momento estou olhando para ela. Fizemos amor a noite toda, foi incrível! O amor realmente ressurgiu das cinzas, da decomposição da vida.
Ah sim! Uma bela canção... Uma bela canção...
Uma canção de amor, amor e vaidade. A morte rondava aquela cidade.
Seus olhos azuis pareciam transparentes, quase brancos.
Seus cabelos negros enrolavam em minhas mãos...
Ela dizia me amar e queria estar comigo...
Ela queria estar comigo...
E eu...
Ah... Eu estive com ela...

Eu estive com ela...

Postagens

Arquivos do blog